Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Mulher Certa

claudiaoliveira23[gmail]com

A Mulher Certa

claudiaoliveira23[gmail]com

Desabafo | Magreza

Fala-se muitos em dietas, em operações biquíni. Ninguém fala na dificuldade em engordar. Nem todas as magras são felizes com o seu corpo. Más línguas podem achar que as magras falam sem saber o que dizem. Não é bem assim. Pessoalmente acho que magreza excessiva não é bonito. Não é saudável. Não me sinto feliz com o corpo quando estou muito magra. 

 

Quando era mais nova sofri na escola por ser magra. Calada. Era anti-social, sentia-me de parte. Tinha várias alcunhas do qual não me gabo, se possível escondo do mundo. Tinha vergonha da minha magreza excessiva. Tinha vergonha de usar saias, vestidos por causa das minhas pernas de palito. Disto ninguém sabia. Acho que nunca o confessei a ninguém. Estou a dizer agora porque preciso de partilhar, já passou, talvez haja alguém com o mesmo problema que eu. Quem sabe. 

 

A escola tem muitas meninas. Meninas bonitas, com um corpo invejável, as melhores da escola. As meninas podem ser muitos mazinhas umas para as outras. Os rapazes também. As melhores na altura são as mais gordas de hoje. Talvez o desleixe. Não sei. Conto pelos dedos as meninas que continuam com o mesmo corpo (ou parecido). Eu cresci, o meu corpo desenvolveu-se, continuo magra. Umas vezes mais, outras menos. 

 

Andei uns tempos com o peso abaixo do que devia devido a uma crise emocional. Namoros errados dão cabo do corpo. Uns engordam, outros emagrecem. Costumam dizer que a tristeza emagrece, a felicidade engorda. No geral é assim. Comigo é assim. Quando atingi um peso ridículo senti vergonha das minhas escolhas.

 

Não comia nada, fumava imenso, bebia, saía imenso. Só comia quando estava mesmo com muita fome. O corpo cedeu, fiquei muito magra. Um dia parei com isso e decidi que queria ser feliz e sentir-me bem com o meu corpo. Já não queria ser a magrinha, não queria ouvir mais "estás tão magraaaaaaaaaaa" (com aquele tom de "pareces doenteeeeeeee"). Todos os dias ouvia esta frase. Tinha vontade de chorar. Custa ouvir "estás tão magra". Ninguém pensa nisso mas é verdade. Ser magra também pode ser um problema para o auto-estima de alguém. Para mim  é. Tenho complexos com isso.

 

Quando comecei a pensar em mim o meu peso regressou, fiquei com o peso ideal. Comia bem, várias vezes por dia. Cheguei a fazer corrida, ginásio, caminhadas. O tabaco começou a ficar de lado e o álcool diminuiu. O amor verdadeiro ajudou imenso, confesso. Estava super contente com o espelho. Mesmo com um pneuzinho na barriga. Não me importava. Deixei de ouvir a famosa frase. Meia dúzia de quilos em mim nota-se imenso a diferença. 

 

Engravidei, engordei com a gravidez dez quilos. Quando o Gustavo nasceu perdi logo metade, a outra metade demorou pouco tempo. O problema é que continuei a perder peso. Perdi tudo o que tinha recuperado na altura que estava bem de peso. Ao contrário do que pensam não é fácil engordar, não é fácil ser magra. A roupa não assenta, parece que falta rabo, pernas. Está tudo largo na cintura. Parece que só tenho mamas. Não gosto. Quero voltar ao meu peso ideal. Com a amamentação não é fácil. Com a falta de descanso também não. O apetite regressou no último mês (só para terem uma ideia) mas nem sempre consigo comer. Não consigo ter horários. No máximo sei que almoço da uma às duas porque tenho a sorte do marido vir a casa à hora de almoço. Tem sido uma luta a recuperação destes quilinhos que para mim são essenciais para o meu bem estar. Para o meu auto-estima. 

 

Tenho usado imenso as saias compridas para esconder a magreza. Tenho usado calçado raso para esconder a magreza. Mas não quero continuar a esconder-me. Quero ser livre, quero olhar-me ao espelho e gostar do que vejo. Hoje quando subi para a balança e vi um quilo a mais fiquei muito contente. Juro. Estou esperançosa. Faltam menos de meia dúzia. Pouco, muito pouco. 

 

Quero encontrar o equilibrio. Nem oito, nem oitenta. Preciso. Para isso preciso de boas energias, bons conselhos. Nao preciso de ter pessoas à minha volta sempre a relembrar-me no quanto preciso de engordar. Nem todos conseguem ter o corpo que desejam. Lembrem-se disso. 

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

imagem de perfil

Arquivo

  1. 2017
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2016
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2015
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2014
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2013
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2012
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2011
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2010
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2009
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2008
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D