Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

A Mulher Certa

claudiaoliveira23[gmail]com

A Mulher Certa

claudiaoliveira23[gmail]com

A escritora que escreveu para o esquecer

 

 

A escritora que hoje vos trago é conhecida minha. Ela tem uma história para contar. Triste.

 

Ela acreditava que nada se fazia sem o amor. Que tudo só tinha sentido com o amor. Foi vivendo, tal como muitas de nós, em busca do seu príncipe. Tendo relações erradas, optando pelo fracasso de não ficar sozinha, esperando no silêncio das palavras alguém especial na sua vida.

 

Numa noite quente, ela escolheu ir saber da vida. Os seus olhos tocaram outros e acabou por encontrar aquele que seria a inspiração. Desde esse dia não conseguiu parar de escrever. Com força, com tanto para contar. Os momentos a dois surgiram e prometeram um ao outro que seria assim o resto da vida. Ela acreditou, tal como qualquer uma de nós.

 

As discussões apareceram, tal como os pedidos de desculpa. Fazerem as pazes era tão bom, disse-me ela. Que era capaz de se zangar só para ter o braço forte no meio do choro. Ela entregou-se de corpo e alma à relação, só que ele parecia desligado. Frio até. Saia com os amigos, enquanto ela a esperava. Ficava a ver televisão, enquanto ela a esperava. Não se lembrava de responder a algumas mensagens. 

 

As discussões acabaram. Viajaram muito. Pediram apoio um ao outro para os obstáculos do destino. "Mesmo longe, estarei contigo." A escritora deixou de escrever e começou a ver filmes de amor e voltou a sentir-se sozinha. Ele abanava-a para a acordar. Ela acordava. Durava uma semana. 

 

Quando ele decidiu querer levar as promessas a sério, ela já estava diferente. Por tanto ter gritado por ele e não ser ouvida. Por tanto ter chorado por ele e as lágrimas não serem limpas. Um dia, ela deixou de querer saber. Ficou fria e desligada. Prometeu que dali para a frente ele não saberia das suas fraquezas. E não soube. Ele bem que tentou procurar, saber o que havia escondido dentro dela. Mas ela, já tinha guardado tudo dentro do seu passado marcado. 

 

A escritora queria que ele lutasse por ela, até ao ultimo momento, por ela já não ser capaz. Por achar que de uma forma ou de outra, ele não gostava da sua maneira de ser.  

 

Numa noite, ambos saíram para lugares diferentes. Acabaram por apontar o dedo um ao outro, sem desculpas, sem abraços fortes. Sem sequer falarem cara a cara. A escritora correu pelas ruas a fora, sentando-se num lugar frio. Desta vez, ele não procurou por ela. Ela não procurou por ele.Ficaram com tanto para dizer.

 

Hoje, quando acordei e abri a porta do meu quarto, vi a escritora rodeada de livros, papel e caneta. Estava deitada de costas. Quando agarrei naquelas folhas, li a sua história. Ela jamais tinha amado alguém daquela forma. Nunca tinha acredito antes num amor destes. Foi ele que lhe deu, que lhe tirou tudo. Pedia desculpas por não ter sido capaz de lhe dizer o quanto ele era importante. Arrependia-se por ter jogado a alma nas suas mãos daquela forma. Notava-se o sofrimento em cada palavra, por ele ter simplesmente virado as costas quando ela esteve de costas voltadas por momentos. Por ele não ter ouvido o seu silêncio. Aquelas folhas diziam, que ela o perdoava por ele não ser perfeito, mas nunca por ter ele ter tido a coragem de entrar no seu Mundo e acabar com ele.

 

Quando toquei nas costas da escritora deitada, vi que estava morta. Ele não teve tempo para a abraçar novamente.

 

De que lhe valeu o amor?

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Cláudia Oliveira 31.01.2010 04:31

    obrigada :)
  • Comentar:

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.

    Mais sobre mim

    imagem de perfil

    Arquivo

    1. 2017
    2. J
    3. F
    4. M
    5. A
    6. M
    7. J
    8. J
    9. A
    10. S
    11. O
    12. N
    13. D
    14. 2016
    15. J
    16. F
    17. M
    18. A
    19. M
    20. J
    21. J
    22. A
    23. S
    24. O
    25. N
    26. D
    27. 2015
    28. J
    29. F
    30. M
    31. A
    32. M
    33. J
    34. J
    35. A
    36. S
    37. O
    38. N
    39. D
    40. 2014
    41. J
    42. F
    43. M
    44. A
    45. M
    46. J
    47. J
    48. A
    49. S
    50. O
    51. N
    52. D
    53. 2013
    54. J
    55. F
    56. M
    57. A
    58. M
    59. J
    60. J
    61. A
    62. S
    63. O
    64. N
    65. D
    66. 2012
    67. J
    68. F
    69. M
    70. A
    71. M
    72. J
    73. J
    74. A
    75. S
    76. O
    77. N
    78. D
    79. 2011
    80. J
    81. F
    82. M
    83. A
    84. M
    85. J
    86. J
    87. A
    88. S
    89. O
    90. N
    91. D
    92. 2010
    93. J
    94. F
    95. M
    96. A
    97. M
    98. J
    99. J
    100. A
    101. S
    102. O
    103. N
    104. D
    105. 2009
    106. J
    107. F
    108. M
    109. A
    110. M
    111. J
    112. J
    113. A
    114. S
    115. O
    116. N
    117. D
    118. 2008
    119. J
    120. F
    121. M
    122. A
    123. M
    124. J
    125. J
    126. A
    127. S
    128. O
    129. N
    130. D